BRIC Language Program

As you may have noticed, I’ve been incommunicado for the past few months. The reason is that I started a graduate program in environmental science and that’s been taking up a huge chunk of my time. But it’s also given me a new Portuguese goal. You see, I’d really like to get an internship with a Brazilian NGO working on water management, and to do that, I’m going to need to up my fluency between now and this summer. In the meantime, I’ll be restarting my lessons and that will mean more material for Hacking Portuguese.

A commenter brought this (new?) language program to my attention:

BRIC Language Program

They are offering lessons for emerging economy languages, though so far it’s just Portuguese, Chinese and Spanish. At $45/lesson, it’s pricey. That is, unless you buy in enormous blocks of 24/48 hours, in which case it comes down to $27-29/hour — competitive, but who really wants to drop that much up front? It looks like they have 3 Portuguese instructors, all based in Brazil, and they use WebEx rather than Skype to conduct remote lessons, which I imagine gives you access to a shared whiteboard and document view in addition to the video conference. If you’ve taken lessons with BRIC, please share your experience in the comments!

Posted in Reviews, Site news | 5 Comments

Coming soon: a new Hacking Portuguese

braP.203a10000CruzeirosND1984PrefixA3011BAMay was a big month for Hacking Portuguese as we hit 10,000 monthly visitors for the first time. That’s not very many as the webby world goes, but it’s a long way from where we started in November 2011. What began as a blog for me to share my accomplishments and frustrations has become a clearinghouse for those who love the Portuguese language and want to speak it better.

Now that it’s the summer for us norteamericanos and I have some more time, there are some changes in store. First of all:

You can now get HP posts delivered straight to your news feed on Facebook. Click the Like button on the upper-right side of the sidebar, or just visit our Facebook page.

I already follow StreetSmart Brazil and Learn Brazilian Portuguese on FB, and I think it’s a marvelous way to engage with the language in small doses everyday, not to mention an un-intimidating way to do some writing (in the comments). This means you can now also ask a question or make a suggestion on FB instead of in the comments.

I’m also planning a refresh to the entire site, including:

  • updated design
  • less wordy posts and more advice for beginners
  • a comprehensive video series that will teach Brazilian pronunciation
  • interviews with Second Language Acquisition experts
  • a new page for European Portuguese resources

Most importantly, I’ll be rewriting and reorganizing the most popular pages with a focus on how to use all these new resources together. The landscape of language learning on the web has changed quite a bit since 2011, and although I’ve made updates here and there to stay current, students need a better guide through the confusing clutter of sites that are out there. Here’s just some of the new resources that have appeared recently that I plan to review:

One of the things that happens when you learn Portuguese is that you fall down the deep rabbit hole of Brazilian culture. I’ve been indulging this side of myself (and practicing my Portuguese writing skills) with posts about Tropicália music and travel, but they don’t really belong here. All of these posts will be moved to a sister site, Brazil Made Me Smart, so that we can stay focused on the language.

Also going up on the new site will be a travelogue about my time in Rio, provisionally titled Deriva: Rio for musicians, introverts and flâneurs which will uncover a more intimate side of Rio. You will learn such things as how to ascend Corcovado on foot (both the sanctioned and unsanctioned routes), how to enjoy the views from the Morro da Urca without waiting in line for the tram, how to get lost in the alleys of O Centro, and how to stumble into impromptu rodas de capoeira in the becos of Lapa. We’ll talk about the neighborhoods that reward undirected exploration, the hidden stairways and museums of Santa Teresa, the winding mountain road that is a biker’s paradise, and the park full of creepy ruins in the forest that is hands down more exciting than the Jardim Botânico. We’ll consider the ethics of favela tourism, and whether it is really wise for a solo gringa to be doing all these things.

So, fique atenado (stay tuned)!

Posted in Site news | 9 Comments

the impasse: moving from B2 to C1

I’m back in LA for the summer and looking for some Portuguese speaking opportunities. While I did quite a bit of writing and conversation this spring, I feel like I’ve plateaued again. Looking at the CEFR scale of language aptitude, I feel pretty solidly in the B2 camp:

  • Can understand the main ideas of complex text on both concrete and abstract topics, including technical discussions in his/her field of specialisation.
  • Can interact with a degree of fluency and spontaneity that makes regular interaction with native speakers quite possible without strain for either party.
  • Can produce clear, detailed text on a wide range of subjects and explain a viewpoint on a topical issue giving the advantages and disadvantages of various options.

But I also feel I have been at this level for well over a year now. Yes, yes: patience, grasshopper. I have no illusions of ever getting to C2 without living in Brazil, but I would really love to be at C1:

  • Can understand a wide range of demanding, longer texts, and recognise implicit meaning.
  • Can express ideas fluently and spontaneously without much obvious searching for expressions.
  • Can use language flexibly and effectively for social, academic and professional purposes.
  • Can produce clear, well-structured, detailed text on complex subjects, showing controlled use of organisational patterns, connectors and cohesive devices.

The common wisdom at this point seems to be, watch movies – listen to music – converse as much as possible. And I’m doing all of this. My plans for this summer include going to more Portuguese meetups, and getting the most out of Verbling.

Yet reading an entire novel is still a slog. Listening to fast speech I get the gist but lose the details. Speaking I can get my point across fine but I yearn for a richer, more relaxed expression. I can write in an academic mode but I fear I use too many structures that parallel my writing style in English, and perhaps sound awkward in Portuguese. I’m not sure if there’s a way beyond this impasse that doesn’t involve moving to Brazil, but if there are any tutors out there that want to give it a shot with a dedicated student, you’ll get a fantastic writeup (and money of course).

Posted in Uncategorized | 7 Comments

You are the product: A critical look at Duolingo

Another day, another person trying to solve (and monetize) the online language learning conundrum. This time it’s Luis von Ahn, MacArthur Grant winner and ReCAPTCHA founder, who has been all over the Internet talking about his latest project Duolingo.

Luis, who has made a fortune wielding a giant hammer called “CROWDSOURCING!”, has unsurprisingly come to see language learning as a giant nail ripe for striking. He figures that he can develop some online language courses, encourage people to practice their skills by translating content from the web, and offer the courses for free by selling the translations that users generate in the process. (I have now helped him with this endeavor by translating two news articles on the violence in the Central African Republic).

By making everything free instead of, say, $500, Duolingo is aimed squarely at undoing the tyranny of Rosetta Stone, which I can only applaud. Democratizing language learning is a worthy goal. But it’s worth remembering the old adage that if a web service is free, you are the product being sold.

When Duolingo’s Portuguese course came out of beta a few weeks ago, I signed up. Besides looking at the Portuguese course, I worked through the German course so I could experience the platform as a true beginner.

Duolingo has done a few things right, and one of them is that it’s taken language gamification to new heights. It’s about time someone leveraged the addictive power of games to help you do something productive, and Duolingo delivers, giving you a slick eye-candy interface, lots of points and trophies and badges to earn, “level-up” moments, and motivational emails when you don’t log in for a few days. There’s even a world map of sorts that lets you chart your own path through the courses. The mobile app looks just as good and allows you to use your downtime during the day for a quick study session.

There is real depth to the courses, too — the Portuguese course that I tried out takes you well into high-intermediate territory (though I never found out how far, exactly, due to the irritating requirement that you take a quiz to demonstrate mastery before skipping lessons). I liked that every single exercise linked to its own discussion thread where there were often knowledgeable native speakers on hand to answer questions. And the integrated memory scheduled flashcard app that gets automatically populated with the words you’ve learned is a nice touch.

Every language system has its guiding metaphor (Pimsleur: the Conversation; Rosetta: the Multiple-Choice Test; Memrise: the Flashcard). The metaphor in Duolingo is Translation. And this means that almost everything in Duolingo happens in the context of a sentence, which seems at first like a good idea. You are either translating sentences from English to Portuguese, or from Portuguese to English, and learning new vocabulary and grammar incidentally along the way via Rosetta Stone-style multiple choice activities. All the sentences have good audio pronunciation, and some activities challenge you to transcribe a sentence from the audio alone, which is a very good exercise.

But the way the system harvests its sentences from web content leads to a dry learning experience. Some of the sentences appear to have been created by stringing random words together, so you will find yourself translating awkward things like “The teachers have water” or “We watched tons of coffee” or “That’s not the way people are treated” instead of, I don’t know, “How are you? Which way to the beach? Is there a library around here where I could check out a Pimsleur course?” The sentences are so far removed from anything that you might actually want to use in conversation that I doubt how much value there is in rote translation. Many sentences are flat out wrong. I eventually tired of sending so many error reports.

Duolingo requires that you unlock earlier lessons to get to later ones, but it gives you some choice in the order in which you work through them

Another problem is the basic challenge of validating a human translation: there are so many possible correct translations for a given sentence that a very complex algorithm is needed to determine whether what you have entered is acceptable or not. They have obviously spent considerable time developing this algorithm, and it is indeed impressive, but impressive is just not good enough. I often entered perfectly valid translations that the system judged as wrong, and in some cases I had to just guess at the particular phrasing that would count as a correct answer. This is no way to learn a language as fluid and nuanced in its sentence structure as Portuguese (or German for that matter).

In forcing you to give only ‘correct’ responses, Duolingo deceives you into thinking that only certain translations are possible — “algumas moedas” but not “umas moedas”, for example, or “seu vestido” but not “o vestido dela”. This might not be so bad, but after three incorrect answers you are forced to restart the lesson at the beginning, leading to frustration and, ultimately, me giving up on Duolingo.

I did learn a few German pronouns and conjugations. It was addictive, for a few days. But very quickly it became boring — there’s little joy in translating awkward sentences plucked at random from the Internet, completely devoid of any interesting context. Die Lehrer haben Wasser. The Portuguese course was the same — different sentences, but no life, no brasilidade.

But the biggest problem with Duolingo is that there is no provision for gaining an oral fluency with the language. In terms of pronunciation, you’re left to glean what you can from the recordings (there is a 1/2 speed option that helps with this). This is backwards. Oral fluency has to come first, or else you haven’t really acquired the language (in the Stephen Krashen sense), you’ve simply learned to manipulate visual symbols. Certainly, I think grammar ought to be taught, and it is possible to be conversant in a language by symbolic manipulation, but how much more delightful it is when you have truly internalized that grammar, and that can only happen — in the beginning stages at least — by copious listening and speaking. Reading I think is the least useful mode for learning because there is no sound input, and sound is the basis for acquisition (though the LingQ folks will surely disagree). Speech comes prior to writing in language, but it comes last in Duolingo. [If you need an "ah-ha!" moment on what acquisition and comprehensible input feel like, check out Krashen's two mini-lessons on German -- granted, it is much easier to make the input comprehensible with a closely related language like German, but the point stands]

This is a fundamental problem with most language courses, so I don’t mean to pick on Duolingo specifically. Pimsleur is the only solo course I’ve found that comes close to replicating the experience of acquiring language through listening and speaking in conversation. It could be much better than it is. Yet no one has set about making a better Pimsleur because, my goodness, what a lot of work to script and record all those hours of conversations, make them progressive and engaging, incorporate the memory schedules…! Much easier to just build a flashcard app, or a multiple choice quiz, or a crowdsourcing engine.

I’m sure some people will like Duolingo a lot, and I’m all for whatever keeps you motivated and coming back. The best thing about Duolingo may be its ability to get people interested enough in the language that they seek out other resources — first and foremost, a good teacher.

Posted in Reviews | 29 Comments

Analepse Tropicália: Chico Buarque e a poesia de censura

This is the fourth in a series of posts on Tropicália and the Brazilian counterculture under the dictatorship, based on my study with Dr. Talia Guzman-Gonzalez at the University of Maryland, who has kindly helped me to edit my Portuguese writing.

Chico Buarque é conhecido como o mestre lírico e a conciência moral da música brasileira nos anos 70. As letras dele são estudadas e analizadas por sua estrutura poética, duplo sentido, e jogo de palavras.

Antes de gravar as músicas mais marcantes da sua carreira, ele era amado pelos fãs da MPB. A maioria das músicas dele eram inspiradas pela bossa nova e samba. Venceu o Segundo Festival de Música Popular Brasileira com A Banda, uma bossa nova.

A antiga sede do DOPS, na praça General Osório em Santos, no literal paulista.

Mas ao longo dos anos 60, ele voltou a ser cada vez mais político nas composições. Eventualmente, ele chamou a atenção dos censores. Naquela época, era necessário que os artistas entregassem novos músicas, livros e filmes ao Departamento de Ordem Política e Social (DOPS) para obtenir permissão a lançá-los. Os censores exigiam frequentemente que ele retirasse ou substituisse várias frases ‘inaceitaveis’, como por exemplo em Partido Alto. Isso não dava para Buarque, e ele se encontrava obrigado a criar codenomes — Julinho da Adelaide e Leonel Paiva — para gravar sua música na forma em que ele quisesse. Um agente da ditadura descobriu a artimanha e começou a requer que as artistas entregassem documentos de identificação (Penedo do Amaral 2012). Buarque foi interrogado várias vezes.

In 1968, como nós já discutimos, a situação no Brasil piorou com o decreto de AI-5. Em 1969, Emílio Médici assumiu a presidência e isso deu início ao período mais difíceis para as artistas (1969-1974). Enquanto Caetano Veloso e Gilberto Gil passaram seu exílio em Londres, Chico Buarque se exilou na Itália, onde tinha passado uns anos com a família quando era criança (o pai era o grande historiador Sérgio Buarque de Holanda). Ele passou o ano de 1970 lá, e voltou para o Brasil em 1971. Ao voltar, ele experimentou uma abordagem mais criativa: ao inves de usar codenomes, ele compôria músicas de duplo sentido — inocente na superfície, mas com crítica aguda por baixo. Disfarçada assim, a mensagem de protesto escaparia o olho do censor.

Apesar de Você

Apesar de Você é assim. À primeira vista, parece uma simples samba-canção sobre um amor caido aos pedaços. De fato, foi inicialmente aprovada pelos censores e distribuida às lojas. Mas uma matéria num jornal sugeriu que o você na letra podia ser uma referência ao Presidente Médici. DOPS trouxe Buarque para o escritório para exigir que ele explicasse o sentido da música. Logo depois o álbum foi censurado. Daí, Chico teve muitas músicas dele rejeitadas. Uma foi Calabar, que simbolizou a ditadura por meio dos colonizadores hollandeses.

Hoje você é quem manda
Falou, tá falado
Não tem discussão
A minha gente hoje anda
Falando de lado
E olhando pro chão, viu
Você que inventou esse estado
E inventou de inventar
Toda a escuridão
Você que inventou o pecado
Esqueceu-se de inventar
O perdão

Apesar de você
Amanhã há de ser
Outro dia
Eu pergunto a você
Onde vai se esconder
Da enorme euforia
Como vai proibir
Quando o galo insistir
Em cantar
Água nova brotando
E a gente se amando
Sem parar

Quando chegar o momento
Esse meu sofrimento
Vou cobrar com juros, juro
Todo esse amor reprimido
Esse grito contido
Este samba no escuro
Você que inventou a tristeza
Ora, tenha a fineza
De desinventar
Você vai pagar e é dobrado
Cada lágrima rolada
Nesse meu penar

Apesar de você
Amanhã há de ser
Outro dia
Inda pago pra ver
O jardim florescer
Qual você não queria
Você vai se amargar
Vendo o dia raiar
Sem lhe pedir licença
E eu vou morrer de rir
Que esse dia há de vir
Antes do que você pensa

Apesar de você
Amanhã há de ser
Outro dia
Você vai ter que ver
A manhã renascer
E esbanjar poesia
Como vai se explicar
Vendo o céu clarear
De repente, impunemente
Como vai abafar
Nosso coro a cantar
Na sua frente

Apesar de você
Amanhã há de ser
Outro dia
Você vai se dar mal
Etc. e tal


Também em 1971, Buarque gravou o álbum Construção. Este álbum contem algumas das suas músicas mais políticas e críticas da ditadura: Cotidiano, Construção, Samba de Orly, e Deus lhe Pague. Nessas, ele empregou duplo sentido e jogo de palavras para evadir o olho dos censores.

Ambos Cotidiano and Construção tratam das brutalidades diárias da vida urbana sob a ditadura. A industrialização rápido do chamado Milagre Brasileiro enriqueceu os já ricos, mas trouxe pouco para os trabalhadores que vieram em bando para as cidades grandes para trabalhar nas fábricas e construções de concreto. Para eles, o progresso era esmagador.

Cotidiano

Todo dia ela faz tudo sempre igual:
Me sacode às seis horas da manhã,
Me sorri um sorriso pontual
E me beija com a boca de hortelã.

Todo dia ela diz que é pr’eu me cuidar
E essas coisas que diz toda mulher.
Diz que está me esperando pr’o jantar
E me beija com a boca de café.

Todo dia eu só penso em poder parar;
Meio-dia eu só penso em dizer não,
Depois penso na vida pra levar
E me calo com a boca de feijão.

Seis da tarde, como era de se esperar,
Ela pega e me espera no portão
Diz que está muito louca pra beijar
E me beija com a boca de paixão.

Toda noite ela diz pr’eu não me afastar;
Meia-noite ela jura eterno amor
E me aperta pr’eu quase sufocar
E me morde com a boca de pavor.

Cotidiano se trata de temas de submissão à opressão, a monotonia da vida diária, e a falta de agentividade (impotência). Nessa música vimos como a falta de poder pode esmagar a vontade de resistir, até que as pessoas se acostumem com a impotência. Assim, a submissão à autoridade pode se tornar um hábito.

Mais uma vez, Buarque encaixa a ditadura na forma de uma mulher, neste caso a esposa do narrador. Ao longo da música, que se move da manhá até a noite, ela o decepciona com cordialidades e confissões de amor banais que soam falsas por serem repetidas do mesmo maneira dia após dia. Estas me lembram dos palavrãos de ordem e propagandas divulgados pelos governos militares ao longo do século vinte — uma forma de “Fique calma e siga em frente!“.

A rotina do casal é refletida na estrutura das estrofes, que têm todas a mesma forma. A música, por sua vez, consiste de uma série de acordes em queda que repete, estrofe a estrofe, sem o alívio de um refrão ou ponte. A única interrupção nesse padrão é o momento de suspensão nos fins dos estrophes, em que o ritmo muda e o tempo parece a ser pendurado, suspenso, com a esperança de algum novidade que nunca vem, só a próxima estrofe. Quando Buarque atinge o fim da letra, ele volta ao início e o ciclo se repete de novo, até que a música desvanece. Não tem início ou fim, nem fuga dessa rotina.

Na superfície, a casal tem um relacionamento tradicional — o homem trabalha fora da casa, a mulher o espera em casa. Mas por baixo não tem nenhuma paixão, sentimento sincero, ou novidade, só atos mecânicos. Sorrir. Beijar. Despedir da manhã. Cumprimentar à noite. Na vida deles, tudo é pré-determinado; nenhum dos dois tem agentividade ou controle sobre a vida. Também não há espaço para individualidade ou personalidade. Eles estão presos numa rotina interminável. Dessa forma, Buarque exprime o sentimento de impotência da vida sob a ditadura.

Isso se vê até na gramática dos versos. O homem é sempre o objeto passivo das ações do mulher. Ela me sacode, me beija, me espera, me aperta, me morde. Finalmente, na terça estrofe, vemos uma centelha de espera — ele começa a exercitar sua agentividade e se torna sujeito dos próprios ações: Todo dia eu só penso em poder parar / meio-dia eu só penso em dizer não / depois penso na vida de levar. Pela primeira vez, ele considera a possibilidade do seu próprio poder. Pensa no futuro. Mas logo ele apaga estes pensamentos perigosos, seja de um sentimento de desespero ou de pavor. É mais fácil simplesmente voltar ao presente (me cale com boca de feijão) e continuar a sobreviver. Isso é um retrato fascinante do jeito em que as ditaduras exercita controle sobre os cidadãos.


Cálice

Pai! Afasta de mim esse cálice
Pai! Afasta de mim esse cálice
Pai! Afasta de mim esse cálice
De vinho tinto de sangue

Father! Take this cup away from me
Father! Take this cup away from me
Father! Take this cup away from me!
This cup of blood red wine

Como beber dessa bebida amarga
Tragar a dor e engolir a labuta?
Mesmo calada a boca resta o peito
Silêncio na cidade não se escuta
De que me vale ser filho da santa?
Melhor seria ser filho da outra
Outra realidade menos morta
Tanta mentira, tanta força bruta

How can I drink this bitter drink
Drown the pain and swallow the toil?
Even shut, my mouth rests on my chest
Silence in the city cannot be heard
What is it worth to be the child of a saint?
Better to be the child of some other
Some other reality less dead
So many lies, so much brute force

Como é difícil acordar calado
Se na calada da noite eu me dano
Quero lançar um grito desumano
Que é uma maneira de ser escutado
Esse silêncio todo me atordoa
Atordoado eu permaneço atento
Na arquibancada, prá a qualquer momento
Ver emergir o monstro da lagoa

How difficult it is to wake up silenced
If in the silence of the night I hurt myself
I want to give an inhuman scream
Which is one way to make yourself heard
This silence stuns me
Stunned, I remain alert
In the bleachers, expecting at any moment
To see the lagoon monster emerge

De muito gorda a porca já não anda (Cálice!)
De muito usada a faca já não corta
Como é difícil, Pai, abrir a porta (Cálice!)
Essa palavra presa na garganta
Esse pileque homérico no mundo
De que adianta ter boa vontade?
Mesmo calado o peito resta a cuca
Dos bêbados do centro da cidade

The pig is so fat it no longer walks (Shut up!)
The knife is so used it no longer cuts
How difficult it is, Father, to open the door (Shut up!)
This word caught in my throat
This Homeric liquor (?) in the world
Which ? to have good will
Even shut up my mouth rests on the cuckoo
Of the drunks downtown

Talvez o mundo não seja pequeno (Cale-se!)
Nem seja a vida um fato consumado (Cale-se!)
Quero inventar o meu próprio pecado (Cale-se!)
Quero morrer do meu próprio veneno (Pai! Cale-se!)
Quero perder de vez tua cabeça! (Cale-se!)
Minha cabeça perder teu juízo. (Cale-se!)
Quero cheirar fumaça de óleo diesel (Cale-se!)
Me embriagar até que alguém me esqueça (Cale-se!)

Perhaps the world isn’t so small (Shut up!)
Nor is life a consumed fact (Shut up!)
I want to invent my own sin (Shut up!)
I want to die of my own venom (Shut up!)
I want to lose your head (Shut up!)
My head to lose your judgement (Shut up!)
I want to smell diesel fumes (Shut up!)
To get drunk until someone forgets me (Shut up!)

O exemplo mais famoso do duplo sentido na obra do Buarque, “Cálice” é uma poderosa canção de protesto, e também a música dele que trata de forma o mais direita do tópico de censura. Embora ele a gravasse com Milton Nascimento, foram Buarque e Gilberto Gil que escreveu a letra e música. Abre com um cântico de igreja a capella, estabelecendo um contexo religioso para a letra que segue. A linguagem religiosa é com certeza uma capa que esconde o sentido político, mas será que ela também seja uma crítica da igreja católica que era cúmplice às brutalidades da ditadura? (em grande parte — claro que tinham padres na esquerda bem como na direita, mas como uma instituição mundial, a igreja era cúmplice por causa do seu silêncio).

Buarque e Nascimento se revezam ao cantar cada estrofe. O refrão é cheio de imagens cristãs, mas as estrofes trazem com seu tema a dor de ser silenciado, a necessidade de ser escutado, e o tratamento violento de quem se manifestar contra o estado. Tem muitos símbolos da voz como objeto corporal: uma boca calada, os atos de beber e engolir, palavras presas na garganta.

Cálice, claro, pode significar uma taça para vinho, ou a órdem Cale-se! Os gritos do Chico funciona como contraponto às estrofes, a voz dos censores. A apresentação de Cálice por Buarque e Nascimento em 1973 no show televisado Phono foi uma das apresentações mais memoráveis da época da ditadura. Proibidos de cantar a letra “subversiva”, eles cantarolam a melodia, se tornando cada vez mais corajosos. Enfim Chico grita “Cale-se!” várias vezes em sucessão, até que alguém desligue o microfone. Ele o tamborila com o dedo. “Tem som?” pergunta à plateia. Tem algo profundo nesse censura de uma música sobre a censura.

A linha Quero inventar meu próprio pecado se trata da linha da Apesar de Você em que Buarque canta Você que inventou pecado.

As linhas Quero morrer do meu próprio veneno e Quero cheirar fumaça de óleo diesel se referem a Stuart Angel Jones, um militante do grupo revolucionário MR-8. Ele foi preso pela polícia militar e torturado com boca colada para a válvula de escape de um veículo. Assim, a polícia o envenenou com as fumaças e o matou. Essa tórtura representa a censura na sua forma mais violento e final.

Devido ao conteudo subversivo, DOPS não deu permissão para Buarque e Nascimento gravarem Cálice até 1978.


Construção

Amou daquela vez como se fosse a última
Beijou sua mulher como se fosse a última
E cada filho seu como se fosse o único
E atravessou a rua com seu passo tímido
Subiu a construção como se fosse máquina
Ergueu no patamar quatro paredes sólidas
Tijolo com tijolo num desenho mágico
Seus olhos embotados de cimento e lágrima
Sentou pra descansar como se fosse sábado
Comeu feijão com arroz como se fosse um príncipe
Bebeu e soluçou como se fosse um náufrago
Dançou e gargalhou como se ouvisse música
E tropeçou no céu como se fosse um bêbado
E flutuou no ar como se fosse um pássaro
E se acabou no chão feito um pacote flácido
Agonizou no meio do passeio público
Morreu na contramão atrapalhando o tráfego

Amou daquela vez como se fosse o último
Beijou sua mulher como se fosse a única
E cada filho seu como se fosse o pródigo
E atravessou a rua com seu passo bêbado
Subiu a construção como se fosse sólido
Ergueu no patamar quatro paredes mágicas
Tijolo com tijolo num desenho lógico
Seus olhos embotados de cimento e tráfego
Sentou pra descansar como se fosse um príncipe
Comeu feijão com arroz como se fosse o máximo
Bebeu e soluçou como se fosse máquina
Dançou e gargalhou como se fosse o próximo
E tropeçou no céu como se ouvisse música
E flutuou no ar como se fosse sábado
E se acabou no chão feito um pacote tímido
Agonizou no meio do passeio náufrago
Morreu na contramão atrapalhando o público

Amou daquela vez como se fosse máquina
Beijou sua mulher como se fosse lógico
Ergueu no patamar quatro paredes flácidas
Sentou pra descansar como se fosse um pássaro
E flutuou no ar como se fosse um príncipe
E se acabou no chão feito um pacote bêbado
Morreu na contra-mão atrapalhando o sábado

Em Construção, vemos mais uma vez um homem comum, da classe operária, levando uma vida sem esperança ou agentividade. Este homem trabalha numa daquelas altas construções de concreto que foram construidas por todo o Brasil nos anos 70s.

Até mais do que em Cotidiano, vemos estrofes em que a repetição é o principal elemento organizador. Cada linha começa com um verbo no preterito; assim a vida dele é narrada através uma série de ações. Cada linha termina com uma palavra proparoxítona, criando uma poesia rítmica. No fim de cada estrofe, o tempo aumenta e a repetição mais intensa.

Quando ele cai da construção, batendo no chão com violência, o único efeito é a atrapalhação de trânsito; é uma morte sem sentido, pelo menos na media em que a sociedade se importa.

No segundo e terceiro versos acontece algo interessante. A última palavra de cada linha é substituida por uma de outra estrofe, e assim a letra fica atrapalhada. As substituições se tornam cada vez mais surrealistas. O absurdo dos versos destaca o absurdo da morte do homem numa sociedade em que a morte é coisa cotidiano.


* Foram recentemente descobridos milhares de documentos que o DOPS manteu durante a ditadura, pertencendo às investigações de 45 mil pessoas, incluindo o ex-presidente Lula e Ché Guevara. Será que tem documentos sobre Chico também?

 

Posted in Analepse Tropicália, Brazilian Culture, Escritos em Português | 2 Comments